Alergias e problemas respiratórios

Todo ano é a mesma coisa! Chegam o outono e o inverno e com eles aumenta o número de pessoas com todo tipo de doenças respiratórias: bronquite, sinusite, resfriado, rinite, amigdalite, gripe, pneumonia e até tuberculose

Elas não perdoam faixa etária ou sexo, mas os principais atingidos são as crianças e os idosos. 

Além das mudanças bruscas na temperatura, os níveis de poluição do ar e a propagação de bactérias e vírus em ambientes fechados são outros fatores que aumentam a incidência de doenças respiratórias. Uma opção urgente e inadiável, sem dúvida, a vacina contra a gripe, principalmente para as faixas etárias de maior risco. Aglomerações em locais fechados nos dias frios também devem ser evitadas.

Como ocorrem

Pessoas alérgicas não nascem assim, mas com a capacidade de se sensibilizarem por determinado fator alérgeno. Tornar-se sensível a um tipo de substância significa ter uma resposta de defesa a ela. Isso explica por que podemos conviver com uma substância por algum tempo e desenvolver sintomas de sensibilidade a ela depois. Essa característica é herdada dos pais. Quando um homem e uma mulher alérgicos tem um filho, a chance de essa criança ser alérgica é de 50%.


Mesmo que nenhum dos pais apresente alergia, a criança ainda assim pode vir a ter reações alérgicas, que se apresentarão como rinite, conjuntivite, asma ou alergia de pele. A forma mais comum, sem dúvida, é a rinite.

 

 
Um em cada quatro brasileiros sofre de rinite alérgica desencadeada por fatores como a presença de ácaro da poeira, a caspa de animais e o mofo. Os mecanismos que disparam as respostas a esses alérgenos (substâncias que provocam reações alérgicas) são parecidos. As crises agudas de tosse, espirro, coriza e congestionamento nasal costumam acontecer no período noturno, quando as pessoas têm contato com travesseiros, cobertas e colchões repletos de pó.

Em até 20 minutos é possível identificar várias alergias. Para esse tipo de teste, o especialista define quais antígenos serão testados contra determinados alérgenos, baseado principalmente no histórico de sintomas. São mais de 60 tipos, divididos em ácaros, fungos, pelos de animais, baratas, alimentos e insetos.


Prevenção

O que um alérgico precisa saber:

  • Cortinas, tapetes e carpetes são verdadeiros ninhos de ácaros. Melhor não tê-los por perto. 
  • Limpe diariamente a casa e o quarto usando pano úmido e/ou aspirador; nunca vassouras, espanador, panos secos ou escova. Eles apenas mudam o pó e os ácaros de lugar;
  • Limpe filtros de ar-condicionado e pás dos ventiladores semanalmente;
  • Evite contato com animais de pelo e pena. Crianças alérgicas não podem usar brinquedos de pano e pelúcia, nem mesmo para enfeitar o quarto;
  • Limpe gavetas e armários do quarto com pano úmido pelo menos uma vez ao mês;
  • Não use pastilhas antimofo ou naftalina, que são irritantes respiratórios;
  • Evite odores ativos, como perfumes, desinfetantes, ceras e tinta de parede;
  • Não fume e não fique perto de pessoas que fumam;
  • Evite banho frio ou muito quente, principalmente no inverno, quando a infecções respiratórias são mais frequentes. A temperatura morna é a melhor opção;
  • Nunca se automedique, consulte um médico especialista;
  • Ao apresentar a crise, se não estiver sob acompanhamento médico, procure imediatamente um pronto atendimento de saúde;
  • Lave suas roupas de inverno e cobertores que ficaram guardados antes de utiliza-los em uso.

Outras dicas importantes

Para evitar tantos efeitos nocivos ao aparelho respiratório, consuma frutas, verduras e legumes ricos em vitamina C, como pêssego e pimentão vermelho, que estimulam a produção de glutationa, enzima do fígado que ajuda a impedir a ação dos radicais livres produzidos pelo organismo aos montes quando inspiramos gases nocivos.


A faxina doméstica também ajuda a manter longe os poluentes:

  • Feche as janelas em horários de trânsito intenso — Não importa se você mora em apartamento ou casa;
  • Aumente a umidade do ar — Você pode espalhar baldes de água ou toalhas úmidas pelos cômodos também funciona. Além de diminuir a concentração dos gases, isso ajuda a lubrificar e limpar o muco nasal que retém parte da poluição.

Principais agravantes

 

Atividades físicas não combinam com poluição.
Um erro muito comum é fazer atividades físicas próximo a vias movimentadas. Correr ou andar de bicicleta entre os carros aumenta os efeitos nocivos da poluição. Isso porque o corpo em atividade consome uma quantidade de ar até 10 vezes maior do que em repouso e, consequentemente, a inalação de poluentes também cresce.



Para piorar, com o esforço físico as pessoas tendem a respirar pela boca, deixando de usar uma das maiores proteções do corpo — os filtros de ar das narinas. A atividade física em ambientes com ar poluído aumenta as chances de enfisema e asma, além de elevar a pressão sanguínea. Boa parte do ar poluído vem dos carros, motos e ônibus — cerca de 87% das emissões de gases poluentes vêm dos escapamentos.


O problema é que a frota de carros só tem aumentado, tanto nas grandes quanto nas pequenas cidades. As pessoas precisam se conscientizar de que a nossa saúde e a de nossos filhos está em jogo.


Poluentes no congestionamento


Não é para se assustar, mas você já parou para pensar quantos poluentes invadem seu corpo a cada congestionamento? Ao contrário do que muitos pensam, ligar o ar condicionado não impede que eles entrem no carro. É pior circular com esse equipamento funcionando do que com uma janela ligeiramente aberta. O duto de entrada de ar fica bem na altura dos escapamentos.


No inverno, quando a temperatura fica mais amena, o ideal é fechar os vidros completamente. Não importa a temperatura, faça o mesmo sempre que passar por túneis, onde cresce a concentração desses gases. Nem mesmo dentro de casa estamos livres da poluição.

 

Mas, atenção! Pior do que respirar o ar poluído é tragar a fumaça de cigarro. Se você ainda fuma, procure ajuda para parar. Sua saúde  e a de todos os que você quer bem  vão agradecer.


Queimadas e problemas respiratórios


A produção agrícola, principalmente o cultivo de cana-de-açúcar, também tem sua parcela de responsabilidade. As queimadas da pré colheita liberam grandes quantidades de material particulado e de monóxido de carbono, o que aumenta o número de casos de problemas respiratórios, como asma e bronquite. Cidades como São Paulo, Porto Alegre, Salvador e Recife apresentam níveis de poluição que se estendem por até mais de 300 km de distância, espalhando os poluentes por todo o interior do país.


Equipe Saútil - Última revisão deste conteúdo em 12/09/2013. Próxima revisão e atualização em 10/09/2014.

Deixe a sua resposta ou comentário

Simone Gonçalves dos Santos por Simone Gonçalves dos Santos em 21/07/2013

tenho alergia de tudo isso mais tenho tambem do frio fico toda vermelha e pinicando coçando o que tenho que fazer

Responder